ponto de vista

sonoridades

arquivo »

vídeos e fotos

  • jornais A
  • Jornais B
  • Jornais C
  • Jornais D

jornaleco da av. ipiranga

ESTADÃO – Sobre a liberdade de informação na América Latina, qual a avaliação do sr? É algo que o preocupa ou não mais do em outras regiões?
JULIAN ASSANGE (WikiLeaKs) –  Há boas leis e proteções institucionais em vários países latino-americanos. Mas a questão é se essas leis estão sendo seguidas na prática. A Associação entre Estados (e seus poderes judiários e empresas pode permitir a censura na prática. Entendo que há um grande escândalo em relação do Blog Falha de S. Paulo, que é uma sátira no nome do jornal com o qual temos parceria no Brasil (a empresa que edita o jornal Folha de S. Paulo obteve liminar para tirar o blog do ar, sob o argumento de que ele viola a logomarca). Entendo a importância de proteger a marca e temos sites similares que serpassam por WikiLeaks. Mas o blog não pretende ser o jornal e acho que deve ser liberado. A censura é um problema especial quando ocorre de forma camuflada. sempre que haja censura, ele deve ser denunciada.”
(entrevista do Estadão, edição de quinta-feira, 23.12.2010), página A14)

O site Pontodevista está fora da rede pela impossibilidade de realizar a “limpeza” do material censurado. O trabalho de sete anos, conteúdo utilizado como material didático no ensino de jornalismo na UFRGS (Universidade Federal do Rio Grande do Sul), está sob censura por determinação da Justiça, em função de uma ação movida por um funcionário do PRBS/Zerolândia (RBS/jornal Zero Hora). O cara tem 35 anos de firma e nunca foi testado em outro emprego. É cria da firma. Na esfera criminal, em primeira instãncia fui absolvido, mas a proibição continua valendo (em função das ações no Cível), sendo que estamos sujeitos a uma multa diária de 150 reais em caso de descumprimento. Não existe meia censura. Ou eu posso comentar qualquer coisa do conteúdo do jorneleco da Av. Ipiranga ou não cometo porra nenhuma. Reafirmo: independentemente do resultado – favorável ou não a Pontodevista, nossos objetivos já foram alcançados. Profissionais da “cascata” estão mais vigiados ou na geladeira. Não significa muito diante do brutal poder da mídia corporativa. Estamos operado apenas com o Blogpontodevista, o Facebook e o Twitter. Sendo que já consultei meu advogado e a medida não me impede de dizer o que penso no “face” e de “tuitar”.  Não tenho mais interesse. Na edição de hoje 29.12.2010, de Zerolândia, existem páginas sobre as quais não posso exercer meu direito de critica.  E teríamos o que dizer, caso este ainda fosse o centro de nosso trabalho. Um dia a gente vai conseguir implodir com eles. Tenho certeza disso.

A FOTO

Procurei exatamente este resultado.  Uma pessoa passando bem embaixo da luminosidade refletida na estrutura que cobre a entrada do metrô. A foto foi feita de uma janela da parte superior do Mercado Público (PO). Não fiz nenhuma anotação técnica das condições do registro.  O equipamento uma Pentax SP1000 de regulagem toda manual. Filme da Kodak Iso400 em sépia que pode ser revelado como filme colorido. Não consigo lembrar a referência. Negativo 35mm escaneado sem manipulação digital. Publico quantas fotos eu quero todos dias. Não tenho nenhum prêmio ARI-Gó (da Associação Riograndense de Imprensa). Nunca tive e nunca terei a fama de cascateiro. Sou JORNALISTA e sempre exerci a profissão em seu sentido mais clássico, como subversivo. Espero que a minha filha, como historiadora ou a mulher com quem estiver vivendo, saiba o que fazer com pastas e mais pastas de negativos arquivados. Fotografo a cidade desde 1972 quando sai da cadeia e comprei – exatamente – esta Pentax SP 1000 na antiga Casa Cambial. Não estava praticando uma campana a partir de uma mentalidade policialesca. Só estava brincando de instante decisivo.

Mais uma vez – não sei quantas vezes já destaquei – quero dizer que não sou fonte, pauta e que não tenho nenhum interesse em qualquer espetáculo promocional. Não concedo entrevistas. Mas estarei sempre à disposição de todo e qualquer tipo de estudante. Em especial de estudantes, JORNALISTAS. Considero esta uma agradável obrigação por ser pago pela população e ter tido minha formação na rede pública.

1 Comentário »

  1. Ronaldo — 29/12/2010 @ 17:51

    “A censura é um problema especial quando ocorre de forma camuflada. sempre que haja censura, ele deve ser denunciada”. Bela declaração. E bem oportuna para refletir sobre a condição que atravessa este blog.


TrackBack URL

Comente